Educação

Secretaria de Estado da Educação

Acessibilidade: A+ A() A-

 Arquivo de Notícias

No domingo, 26, o governador Waldez Góes encerrou o Fórum Indígena do Amapá 2015, na aldeia Kumarumã, em Oiapoque. Durante a visita, o chefe do Executivo assinou decretos que instituem gerências de projetos sociais, assistência técnica rural e o projeto multilinguísmo e cidadania aos grupos indígenas.

Mais de três mil pessoas acompanharam o fórum na aldeia Kumarumã. Entre elas, os dois mil moradores da aldeia de quatro etnias – Karipuna, Galibi Marwono, Galibi Kálina e Palikur – e representantes de outras 35 comunidades indígenas do Estado do Amapá. Também foram nomeados, durante o evento, diretores de escolas das aldeias do Amapá.

"Esses indígenas também serão responsáveis pela articulação e interlocução entre as aldeias e Estado", afirmou o governador Waldez Góes, lembrando que a comunidade não recebia uma grande ação de políticas públicas há mais de 11 anos.


Segundo Waldez, é importante institucionalizar o fórum, para que ele ocorra anualmente e possa ser avaliado. "Aqui nós destacamos, sobretudo, o esforço que estamos fazendo para retomarmos o programa Luz para Todos e construirmos o linhão, até Oiapoque".

O governador reiterou o Estado tem o compromisso de assistir as comunidades, através da Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) até o mês de julho. "De agosto em diante, vamos fazer diretamente tanto a distribuição de combustível como a manutenção dos geradores", anunciou.


Ainda no fórum, o governador destacou que pretende intensificar a formação de professores, e fazer mais um concurso para a categoria, na área indígena, possivelmente no próximo ano. No setor da saúde, Waldez Góes confirmou que já existe uma discussão para a construção de um projeto, dentro do Amapá Indígena.



"Cultura, Direito e Cidadania: a Retomada Indígena" foi o tema do fórum promovido pela Secretaria Extraordinária dos Povos Indígenas (Sepi) que iniciou no dia 18 de abril, no museu Sacaca, em Macapá.

De acordo com a secretária Extraordinária de Povos Indígenas, Eclemilda Macial Silva, o encerramento do fórum na aldeia Kumarumã foi proposto para que o Estado também pudesse conhecer a realidade indígena mais de perto, assim como suas necessidades.

"É uma honra voltar a Kumarumã, aldeia onde eu nasci, representando a secretaria e acompanhando a equipe de governo. Nosso objetivo foi traçar políticas públicas para indígenas do Estado, expondo diversos setores estratégicos e garantindo direitos". A iniciativa, segundo ela, também foi promover um intercâmbio entre os povos, disseminando a cultura, costumes, crenças e tradições. "A comitiva pode conhecer pessoalmente as dificuldades, principalmente logística, pela distância que a aldeia se encontra", afirmou Eclemilda.

O cacique da aldeia Kumarumã, Luiz Campos dos Santos, agradeceu a visita do governador e cobrou atenção da equipe de Estado aos povos indígenas. "Na gestão passada fomos muito discriminados e peço que esse novo governo olhe de forma diferente para nossas comunidades".


O coordenador da Funai, Francisco Paes, destacou o fórum como um momento de articulação e sintonia com as comunidades, movimentos indígenas, com as esferas Estaduais e federal e com a história.

A comitiva que visitou a aldeia foi composta por secretários e funcionários das secretarias de Inclusão e Mobilização Social (SIMS), Trabalho e Empreendedorismo (Sete), Desporto e Lazer (Sedel), Cultura (Secult), Comunicação (Secom), Educação (Seed), Extraordinária de Políticas para Mulheres (SEPM), além do Sistema Integrado de Atendimento ao Cidadão, Corpo de Bombeiros Militar do Amapá e Fundação Nacional do Índio (Funai). O deputado federal Nilson Cabuçu Borges também esteve no local.

Programação
 


A abertura do fórum na aldeia Kumarumã teve início no sábado, com a chegada de parte da equipe de governo do Estado. Durante a manhã, houve exposição e comercialização de artesanatos indígenas, ação social e de cidadania. 


O chefe do Executivo autorizou a contratação de 152 profissionais na área de Educação. São 141 professores e 11 pedagogos, que passarão a atuar juntos aos povos Waiãpi, Tumucumaque e aldeias do Vale Uaçá, em Oiapoque.


A seleção dos contratados foi feita em parceria entre as Secretarias de Estado da Educação (Seed) e Extraordinária dos Povos Indígenas (Sepi). Os profissionais são indígenas e não indígenas: 45 professores trabalharão em Oiapoque, 59 em Tumucumaque, e 21 em terras Waiãpi. Neste último caso, já estavam previstos 20 professores, porém, a etnia solicitou ao governador mais um profissional para suprir a carência, além dos pedagogos que estarão nas três regiões.



Uma equipe do Sistema Integrado de Atendimento ao Cidadão (Super Fácil) realizou a emissão gratuita de certidões de nascimento e carteira de trabalho dos moradores da comunidade.

No período da tarde, houve abertura dos Jogos Indígenas com competições de arco e flecha, jogo de tora, futebol, zarabatana e cabo de guerra.

O governador Waldez Góes chegou no período da manhã, e iniciou uma mesa de apresentação e debates com os secretários do Estado e representantes das comunidades indígenas.



A Secretaria de Estado da Educação (Seed) promoveu nesta quinta-feira, 23, um encontro de sensibilização de profissionais que atuam na rede estadual de ensino com temas voltados a saúde do aluno. A ação é resultante do envolvimento dos municípios e Estado em torno do Programa Saúde na Escola (PSE).


Durante a oficina de sensibilização, professores, coordenadores pedagógicos, gestores escolares e técnicos da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) assistiram a uma palestra e depois participaram de uma roda de debates, com o objetivo de se tornarem multiplicadores da formação no ambiente escolar.


O Programa Saúde na Escola (PSE) objetiva contribuir para o fortalecimento de ações na perspectiva do desenvolvimento integral e proporcionar à comunidade escolar a participação em programas e projetos que articulem saúde e educação, para o enfrentamento das vulnerabilidades que comprometem o pleno desenvolvimento de crianças, adolescentes e jovens.


De acordo com a secretária de Estado da Educação, Conceição Medeiros, é importante que todos os envolvidos participem ativamente das discussões no sentido de unir esforços na otimização de custos. Ainda para Conceição, as políticas educacionais e de saúde devem estar integradas na caminhada rumo à melhoria da qualidade de vida do estudante.


"Capacitar o professor a observar o seu aluno, a atentar para o estudante, como ele está se portando a frente ao processo de ensino e aprendizagem faz parte da sensibilização no sentido de atendê-los com qualidade. Devemos olhar para as pessoas e cuidá-las e a escola é um espaço de integração e envolvimento de todos" reiterou.


Outro destaque pontuado durante o encontro foi a necessidade das escolas inserirem no Projeto Político Pedagógico a questão da saúde do educando. Além disso, foi alertado também para que os gestores e toda a comunidade escolar e interessados participem da elaboração do Plano Estadual de Educação (PEE) que projeta as metas a serem cumpridas e implementadas para os próximos 10 anos. Os encontros estão acontecendo semanalmente na Seed.

O governador Waldez Góes reafirmou seu compromisso com os povos indígenas do Amapá. Neste sábado, 18, na abertura do I Fórum Indígena Estadual, no Museu Sacaca, o chefe do Executivo autorizou a contratação de 152 profissionais na área de Educação. São 141 professores e 11 pedagogos, que passarão a atuar juntos aos povos Waiãpi, Tumucumaque e aldeias do Vale Uaçá, em Oiapoque.


A seleção dos contratados foi feita em parceria entre as Secretarias de Estado da Educação (Seed) e Extraordinária dos Povos Indígenas (Sepi). Os profissionais são indígenas e não indígenas: 45 professores trabalharão em Oiapoque, 59 em Tumucumaque, e 21 em terras Waiãpi. Neste último caso, já estavam previstos 20 professores, porém, a etnia solicitou ao governador mais um profissional para suprir a carência, além dos pedagogos que estarão nas três regiões.


Waldez Góes também anunciou a criação de gerências indígenas em órgãos do governo a fim de pontuar um diálogo mais amplo com as comunidades. As funções gerenciais são nas áreas de extensão rural e assistência técnica, no Instituto de Desenvolvimento Rural do Amapá (Rurap), dentro dos programas sociais da Secretaria de Inclusão e Mobilização Social (SIMS), gerência indígena no Super Fácil, e contratos no Museu Kuahí dos Povos Indígenas, ambos em Oiapoque.


"No meu governo anterior, criei a Secretaria Extraordinária dos Povos Indígenas, e é a maior demonstração do meu compromisso com esta causa. Formamos e contratamos professores, preparamos a lei para criar o plano de carreira dos professores índios, além do concurso público específicos para eles. O Amapá é vanguarda no Brasil a respeito das políticas públicas para os indígenas", ressaltou o governador.


Saúde também foi um tema abordado pelo governador. "Eu quero construir com a FUNAI [Fundação Nacional do Índio], FUNASA [Fundação Nacional da Saúde], Governo Federal e com o povo do Amapá, um projeto de saúde, que também possa formar índios para trabalhar com suas comunidades, envolvendo plano de carreiras para os indígenas. O bom governo é aquele que faz políticas públicas que vai além do seu tempo. Temos que institucionalizá-las, para que ninguém mais as tire do povo", resumiu.


Com participação confirmada para a programação do Fórum nos dias 25 e 26 de abril, na aldeia Kumarumã, em Oiapoque, Góes planeja voltar às terras indígenas. "Governo não se faz dentro de gabinete, se faz dialogando, recebendo as reivindicações e por isso a cada ano do meu mandato viajarei às aldeias".


 



Com o objetivo de possibilitar a formação de agentes multiplicadores da inclusão social, a Secretaria de Estado da Educação (Seed), por meio da Coordenadoria de Recursos Humanos e Núcleo de Formação Continuada, em parceria com o Serviço Social do Comércio do Amapá (Sesc/AP), deu início ao Curso Básico em Libras (Língua Brasileira de Sinais). A aula inaugural aconteceu nesta sexta-feira, 17, no auditório da Escola Sesc.


De acordo com a secretária-adjunta de Políticas Educacionais, Elizabeth do Rosário, o intuito principal é qualificar os profissionais para o atendimento com qualidade do aluno com surdez inserido no contexto escolar.


"O isolamento tem sido uma grita dentro da sociedade e não podemos ficar de mãos atadas, e sim buscar e estimular essa formação continuada no sentido de garantir a cidadania a essas pessoas", destacou.


Inicialmente, serão capacitados 60 professores que atuam na educação básica. O encerramento está previsto para o dia 25 de maio. O curso libras tem carga horária de 60h e será ministrado pelos professores Tatiana Jácome e Rafael Pimenta, no turno da manhã, três vezes por semana. A ação faz parte do projeto "Libras no Contexto Escolar", que também planeja ofertar para os demais servidores da educação do Estado os cursos do nível básico e intermediário.


Para o representante dos portadores de deficiência auditiva e professor da Universidade Federal do Amapá (Unifap), Gabriel Cordeiro, o surdo precisa ter cuidado e carinho. Para ele, é de grande valia os cursos de capacitação, pois estimulam os profissionais a se interessarem, cada vez mais, pela comunidade com esse tipo de deficiência.


"Temos muitos casos de surdos que permanecem isolados por diversos fatores como, por exemplo, o desconhecimento por parte da família; e com a possibilidade deste curso se amplia os caminhos para a vida do surdo", destacou.


Participaram do evento alunos do curso, gestores, coordenadores pedagógicos, professores, e representantes do Sesc, Ministério Público e Unifap.


 


O governador do Amapá, Waldez Góes, vai oficializar a contratação de 151 professores e pedagogos, indígenas e não indígenas, para atuarem em terras Waiãpi, Tumucumaque e aldeias do Vale Uaçá, em Oiapoque.


Serão 140 professores e 11 pedagogos, assim divididos: 45 professores para Oiapoque, 59 para Tumucumaque e 20 em território Waiãpi. Os 11 pedagogos irão atuar nas três áreas indígenas. A indicação dos nomes e a seleção dos contratados foram feitas em parceriaentre as Secretarias de Estado da Educação (Seed) e Extraordinária dos Povos Indígenas (Sepi).


A assinatura dos contratos ocorre no próximo sábado, 18, primeiro dia do Fórum Indígena Estadual 2015. O evento será no auditório do Museu Sacaca e segue no domingo, 19 de abril, Dia do Índio.


Em 2006, o governador Waldez Góes criou a função de professor índio e realizou o primeiroconcurso público específico para essa categoria. A atitude beneficiou e valorizou os profissionais que foram lotados nas aldeiam onde residiam.


Atualmente, no Amapá e Norte do Pará, existem nove etnias distribuídas em três municípios – Laranjal do Jari, Oiapoque e Pedra Branca do Amapari -, com um total de 56 escolas indígenas estaduais.


Segundo a gerente do Núcleo de Educação Indígena (NEI) da Seed, Rosilene Correa, uma equipe está nas áreas indígenas de Oiapoque fazendo um diagnóstico da educação escolar. "Foi autorizado o quantitativo de R$ 106 mil a ser repassado, através dos caixas escolares, para aquisição de combustível para essas ações", explicou.


Ela destacou, ainda, que essa é a primeira vez que o governo do Estado autorizou um número grande de contratos indígenas e pedagogos.


Programação


Dando continuidade à programação alusiva ao Dia do Índio, acontecerá no domingo, 19, no anfiteatro da Fortaleza de São José de Macapá, a partir das 19h, shows artísticos, batuque e danças indígenas.


Nos dias 24 e 25, está prevista a visita do governador Waldez Góes e uma comitiva de secretários de Estado ao município de Oiapoque, para dar continuidade na assinatura de contrato de mais 50 indígenas, sendo 45 professores e cinco pedagogos na aldeia Kumarumã.


Aconteceu na terça-feira, 14, no Teatro das Bacabeiras, a solenidade de abertura do Encontro de Coordenadores Pedagógicos e Gestores Escolares da Rede Estadual de Ensin, que tem o objetivo de instrumentalizar subsídios técnicos e teóricos aos novos gestores, secretários escolares e coordenadores pedagógicos, com o foco principal de socializar as ações da Secretaria de Estado da Educação (Seed) em busca da elevação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) no Amapá.


O evento é organizado pela Seed, por meio da Coordenadoria de Desenvolvimento e Normatização das Políticas Educacionais (CODNOPE). Para a secretária de Estado da Educação, Conceição Medeiros, os números do Ideb do Estado do Amapá estão muito baixos.


"Muito me incomoda a nota 3.8 dos nossos alunos. É da nossa responsabilidade possibilitar que este número aumente para pelo menos 5.5. Temos profissionais gabaritados para isso. Desenvolver políticas e diretrizes para que estes alunos tenham uma educação de qualidade é nosso dever", afirmou a gestora.


A programação iniciou com a palestra "Desafios da Educação no Cenário Atual", ministrada pelo professor Romero Ximenes. Logo após, houve discussão a respeito da importância do Censo Escolar para as políticas públicas de educação e a melhoria do Ideb.


O pedagogo que veio do município de Oiapoque, Aldo Pantoja de Souza, destacou a importância de encontros como estes. "Enfrentamos o problema da distância para participarmos dos eventos na capital, mas viemos com objetivo de ampliar nossa visão e esclarecer nossas dúvidas, na busca de melhorar o nosso desempenho enquanto gestor escolar", disse.


A programação segue nesta quarta-feira, 15, com debates relacionados a regulamentação e reconhecimento escolar como instrumentos de autonomia na escola; gestão compartilhada e o conselho escolar.

O Governo do Amapá e o Sindicato dos Servidores Públicos em Educação no Amapá (Sinsepeap) realizaram nesta terça-feira, 14, na Escola de Administração Pública (EAP) a segunda reunião da Agenda do Servidor. Na ocasião, foi proposto a categoria reajuste de 15% de regência a professores em sala de aula, extensivo aos pedagogos e auxiliares educacionais no mesmo percentual.


Além disso, o governo ofereceu o pagamento de 3% da progressão funcional, que será implementada em julho de 2015, com retroativo de fevereiro a junho, pago no período de agosto a dezembro de 2015.


Um dos itens reivindicados pelo sindicato no primeiro encontro, que trata do repasse imediato dos descontos previdenciários dos servidores para os cofres da Amapá Previdência, também foi acatado. "O repasse dos descontos previdenciários para a Amprev já está ocorrendo. Isso é ponto superado na pauta", declarou Arnaldo Santos Filho, diretor presidente da Amapá Previdência.


O governo do Estado também declarou que vai anistiar as faltas dos servidores, referentes a greve de 2012. Essa também era uma reivindicação do sindicato. "É um reconhecimento que a categoria foi injustiçada, por isso, a pauta da anistia já foi consolidada", destacou o secretário de Estado do Planejamento, Antônio Teles.


As propostas serão oficializadas e entregues nesta quarta-feira, dia 15 de abril, na sede do sindicato. Em reunião, representantes da categoria divulgaram que haverá uma assembleia para discutir as medidas ainda essa semana e um novo encontro com integrantes da Agenda do Servidor foi marcado para a próxima quarta-feira, dia 22 de abril.


Diálogo


A primeira reunião com o sindicato e a Agenda do Servidor ocorreu no dia 7 de abril. Na pauta foram apresentados 35 itens de reivindicação, divididos em quatro eixos: valorização do profissional em educação, estruturação de carreira, condição de trabalho e saúde dos profissionais da educação e gestão da educação.


O sindicato analisou as reivindicações e elaborou as primeiras propostas a categoria. "Essa é nossa segunda reunião com a categoria dentro da Agenda do Servidor. Vamos aguardar a resposta do sindicato. Estamos abertos ao diálogo", disse o secretário de Estado da Fazenda, Josenildo Santos Abrantes.


Perdas e restituição


De acordo com o sindicato, a medida tomada na gestão passada, de incorporar a regência de classe ao vencimento dos profissionais, representou perdas de 40% a categoria. Durante a reunião, o sindicato reforçou o pedido de reajuste de 13% do piso salarial e negociação do retroativo desde 2011.


Segundo o secretário de Estado do Planejamento, a primeira dificuldade operacional que o Estado tem do ponto de vista administrativo para um reajuste linear de 13% à toda a classe é a própria dotação orçamentária destinada a pagamento de pessoal dentro da Secretaria de Educação. "Nós temos um déficit orçamentário. Qualquer solução passa pela necessidade de diferenciar o professor na sala de aula e que não está onerando despesa com contrato administrativo", explicou.


Para o gestor, com o reajuste de 13% em cima do vencimento base, o impacto mensal ao Estado, seria de R$ 8 milhões, somado aos R$ 6 milhões de contratos administrativos, o incremento de folha seria de R$ 14 milhões.


Participaram da reunião, a Secretaria de Estado da Administração (Sead), Centro de Gestão da Tecnologia da Informação (Prodap), a Escola de Administração Pública (EAP), Amapá Previdência (Amprev), Secretaria de Planejamento (Seplan), Secretaria da Fazenda (Sefaz), Secretaria de Estado da Educação (Seed) e Procuradoria Geral do Estado (PGE) do Amapá.


A Secretaria de Estado da Educação (Seed) mantém esforços junto aos gestores municipais para evitar que milhares de alunos fiquem fora de sala de aula este ano. Só na capital, a secretaria já absorveu mais de 1.200 alunos que não conseguiram vagas na rede municipal de ensino.


De acordo com a coordenadora de Educação Básica e Educação Profissional da Seed, Edilene Dias, a deliberação se deu por conta da carência de vagas não apenas na capital, mas em outras cidades do Estado. "A Seed realizou estudos técnicos junto aos municípios para ver o quantitativo de alunos que, de fato, não conseguiram se matricular e que foram encaminhados para a rede estadual", explica.


O assunto foi tratado durante várias reuniões entre representantes das secretarias afins e do Ministério Público. Segundo ela, a responsabilidade da oferta de matrículas para os anos iniciais de ensino é do município, porém o Executivo estadual decidiu absorver esses estudantes em razão do compromisso pactuado em favor da educação. "Disponibilizamos vagas para todos os anos e modalidades, mas principalmente para os anos iniciais, que foram os que apresentaram maior carência de vagas", reforça.


A coordenadora também explica que, em alguns casos, a Seed vai apoiar na estruturação física de algumas escolas e disponibilizar professores para ministrar aulas para o ensino fundamental. Eles atuarão no Centro de Música Municipal Amilar Brenha, localizado no bairro Brasil Novo, Zona Norte de Macapá.


Há vagas


E ainda há vagas disponíveis. "Ainda estamos efetuando matrículas, principalmente, na zona rural, onde ainda existe a cultura de se procurar a escola apenas após o início do ano letivo", ressalta.


Ela destaca que o diálogo com as redes municipais tem sido fundamental para garantir os estudantes dentro da sala de aula. "Hoje as decisões são feitas por dentro das secretarias com a parceria do Ministério Público dialogando e fazendo os caminhos das interfaces, sem imposições, mas através do entendimento", diz.



Estão abertas, até o dia 12 de junho, as inscrições para os alunos que queiram participar do Parlamento Jovem Brasileiro 2015. Realizado pela Câmara dos Deputados, o programa é uma oportunidade para que jovens cidadãos brasileiros possam conhecer e experimentar, durante cinco dias, a jornada de trabalho dos parlamentares federais. O programa, que está na sua 12ª edição, ocorrerá entre os dias 21 e 25 de setembro.


No Amapá, apenas um representante será selecionado. Esse número é dado proporcionalmente ao tamanho da bancada federal do Estado. O Parlamento Jovem Brasileiro é um programa que busca contribuir para o desenvolvimento de uma das dimensões dacidadania, que é o conhecimento sobre como se organiza a democracia representativa, assim como a importância das discussões nas escolas sobre temas como política, cidadania, participação popular e controle social.


"São várias etapas e a seleção final é feita pela Secretaria de Estado da Educação (Seed). Estamos levando para as escolas a importância de se debater a cidadania para que o aluno possa conhecer de fato como funciona o parlamento", destacou a coordenadora do programa Parlamento Jovem no Amapá, Eurenice Fontoura.


Para ela, o interessante é que esse aluno volta da experiência vivida com uma nova visão de política e com o entendimento que exercer a cidadania é muito mais que apenas votar é participar ativamente das decisões políticas do país.


Para participar, o estudante deve ter entre 16 e 22 anos completos até a data da realização do evento. Deverá também estar regularmente matriculado no 2º ou 3º ano do ensino médio em escolas públicas ou privadas, ou no 2º, 3º e 4º anos do ensino médio integrado, e não pode ter participado como deputado jovem em nenhuma das edições anteriores.


Uma vez atendidos os critérios acima, o candidato a parlamentar jovem deverá também escrever um Projeto de Lei, pautado na realidade do país, com uma proposta de solução.


A documentação deverá ser entregues (projeto de lei de sua autoria, ficha de inscrição completamente preenchida e demais documentos) diretamente à coordenadora estadual do PJB, Eurenice Fontoura, na Secretaria de Educação da Educação (Seed) localizada à Avenida FAB, 0096 – Centro, Macapá – AP, e ainda por e-mail, (amapá.pjb2015@gmail.com). O projeto de lei e a ficha de inscrição deverão estar em arquivo do Word e os demais documentos deverão ser digitalizados.


Mais detalhes sobre o programa podem ser encontrados no endereço eletrônicowww.camara.leg.br/pjb ou solicitadas pelo e-mail diem.seed@gmail.com


A secretária de Estado da Educação, Conceição Medeiros, realizou na quinta-feira, 9, no auditório da Universidade do Estado do Amapá (Ueap), uma reunião com os gestores das escolas da rede estadual de ensino.


Em pauta, assuntos como transporte escolar, estrutura física das escolas, melhoria na qualidade do ensino, acolhimento aos novos diretores, programas federais e capitação de recursos. O encontro também serviu para a aproximação dos gestores escolares com os técnicos das coordenadorias e núcleos.


Entre os projetos apresentados está a Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2015 (Pense). A pesquisa será desenvolvida nas escolas da rede estadual, municipal e particular e terá como executor o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com a parceria do Ministério da Saúde e o Apoio do Ministério da Educação.


A Pense tem o objetivo de subsidiar o monitoramento da saúde e conhecer a predominância e distribuição dos fatores de risco e proteção à saúde dos estudantes. Adicionalmente, pretende também identificar as questões prioritárias para o desenvolvimento das políticas públicas voltadas à promoção da saúde do adolescente.


De acordo com o coordenador da Pense no Amapá, Izequiel Amorim Brito, a pesquisa vai levantar aspectos como alimentação, acompanhamento da vida escolar, contextos social e familiar que vão desde a prática sexual e consumo de drogas.



"É a primeira vez que a pesquisa será feita especificamente no Amapá, pois anteriormente se tinha uma amostragem por região. Vamos visitar todos os municípios e precisamos desse apoio dos gestores escolares para aplicação dos questionários. É a terceira edição e será aplicada para alunos de 13 a 17 anos, incluindo aqueles que estão frequentando o do 6º ao 9º ano do ensino fundamental e do 1º ao 3º ano do ensino médio", explicou.


Outro destaque durante o encontro foi à solicitação por parte da Secretaria de Estado da Educação (Seed) aos diretores escolares quanto ao levantamento e diagnóstico da real carência de professores em suas escolas.


Segundo Conceição Medeiros, após a divulgação total do Processo Seletivo 001/2015 para a contratação de professores e pedagogos será realizada uma segunda e até terceira chamada de acordo com a carência apresentada. "A escola deve apresentar a carência por disciplina e justificá-la. Todo o processo será acompanhando habitualmente pelos técnicos da Seed", afirmou.


Foi anunciado também mais uma oportunidade de contratação para professores horistas e apoio. Deverá ser lançado nos próximos dias o edital. Os profissionais deverão atuar na educação profissional voltado para os cursos técnicos aplicados no Centro de Educação Profissional Graziela Reis de Souza, E.E. Prof. Esther da Silva Virgolino, entre outros.


Serão 283 vagas e será coordenado pelo Núcleo de Educação Profissional (NEP).



 

A Secretaria de Estado da Educação (Seed) divulga nesta quinta-feira, 9, a lista do resultado do Processo Seletivo Simplificado (PSS) para o contrato temporário de professores e pedagogos, para os profissionais dos municípios de Macapá e Santana.


A contratação do candidato selecionado será até 30 de junho de 2015, podendo ser prorrogado, de acordo com a necessidade da administração pública, até 31 de dezembro. A remuneração para estes postos será de R$ 3.416,27.


Confira a Lista, subsequente, com o resultado do Processo Seletivo Simplificado (PSS) para o contrato temporário de professores e pedagogos: www.processoseletivo.ap.gov.br


 


 

 


Com a finalidade de sensibilizar a sociedade amapaense sobre a importância das políticas públicas para inclusão das pessoas cegas no sistema educacional, a Secretaria de Estado da Educação (Seed) promoveu na quarta-feira, 8, data em que se comemora o Dia Nacional do Sistema Braile, uma programação direcionada aos usuários e seus familiares.


O evento, organizado pelo Núcleo de Educação Especial, ocorreu no prédio do Centro de Apoio Pedagógico ao Deficiente Visual (CAP), onde estiveram cerca de 70 usuários do braile, entre alunos e a comunidade em geral. Na ocasião, foram expostos trabalhos em braile, materiais como reglete (utilizado para escrita braile), mapa mundi com relevo, livros e impressora que faz a reprodução de textos ampliados em alto relevo de provas e exames seletivos para cursos e concursos.


 


A diretora do CAP, professora Zenaide Picanço, explica que o sistema braile de códigos em alto relevo representam todas as letras do alfabeto, números e símbolos. "Esse recurso é muito utilizado pelos deficientes visuais, o sistema é composto por seis pontos, divididos em duas colunas de três pontos, formando no total 63 combinações diferentes, sendo cada um representante de um número, letra, pontuação. A ferramenta que eles usam diariamente tanto nas escolas como depois nos locais de emprego", ressaltou a diretora.


O membro da Comissão Brasileira de Braile, Jodoval Farias da Costa, que é cego, participou da comemoração e parabenizou a organização do evento. "São momentos como este que mostram o apoio do Governo do Estado a nossa categoria de deficientes visuais, sou usuário do CAP há muitos anos e procuro também cobrar, mais mecanismos para inclusão dos cegos no mercado de trabalho", disse.


 


CAP


O Centro oferece serviços de apoio pedagógico, atendimento educacional especializado, formação continuada de professores e comunidade.


Dia Nacional do Sistema Braile


O dia 8 de abril homenageia o brasileiro José Alvares de Azevedo, o patrono da Educação dos Cegos no Brasil por meio do Dia Nacional do Sistema Braile. Nascido em 1834, cego e ávido por conhecimento, foi enviado para Europa aos 10 anos de idade para estudar no Instituto Real dos Jovens Cegos, em Paris. Ao retornar ao Brasil, Azevedo dedicou-se não só a difundir o sistema como à fundação do Imperial Instituto dos Meninos Cegos no Rio de Janeiro.


 

Em um ambiente muito descontraído e contagiante, as servidoras da Secretaria de Estado da Educação (Seed) foram homenageadas no dia 31 de março, com uma programação especial alusiva ao Dia Internacional da Mulher.  O evento contou momento de reflexão, apresentação musical, entrega de brindes e dança.  

O governo do Estado dá sequência, nesta quarta-feira, 8, à série de encontros para discutir não apenas reajuste salarial, mas também promoções e progressões, concursos e qualificação profissional com as categorias do funcionalismo público. A rodada de reuniões faz parte da Agenda do Servidor, projeto lançado duas semanas atrás pelo governador do Amapá, Waldez Góes.


Às 16h de hoje será a vez da categoria dos servidores militares. A reunião ocorre na Secretaria de Estado da Administração (Sead), onde a secretária da pasta, Goreth Souza, acompanhada de gestores da Amapá Previdência (Amprev), Escola de Administração Pública (EAP), Procuradoria Geral, comandos da Polícia e Bombeiros Militar, recebe a Associação dos Servidores Militares do Estado do Amapá (Asmeap).


O cronograma da Agenda do Servidor iniciou na terça-feira, 7, quando o governo começou as negociações com representantes do Sindicato dos Servidores Públicos em Educação do Amapá (Sinsepeap). Entre as principais reivindicações da categoria estão a valorização dos profissionais, estruturação da carreira, condições de trabalho e gestão da educação no Estado.


Segundo o presidente do Sinsepeap, Leslie Gantuss, o principal objetivo da entidade é discutir o piso nacional, que sofreu reajuste de 13,01% no último ano. "Queremos saber que percentual de reajuste será proposto pelo governo, já que estamos no mês de discussão da data-base", disse.


Ele ressaltou que a categoria sofreu muitas perdas durante os últimos anos e destacou um projeto do ex-governador Camilo Capiberibe, que incorporou uma gratificação de incentivo aos professores da rede estadual aos vencimentos, como o que causou maior prejuízo à categoria. "A incorporação da regência de classe nos vencimentos dos servidores representou uma perda de 40% em relação ao piso", lamentou.


A secretária de Administração destacou que esta primeira etapa da Agenda do Servidor é para conhecer os pedidos e tentar humanizar a relação entre governo e servidores públicos. "Nós queremos conhecer as pessoas, mostrar para elas como recebemos o Estado, como estão as contas públicas, para criar um ambiente de respeito e segurança para os trabalhadores", destacou Goreth Souza.


Ainda na reunião, o secretário de Planejamento, Antônio Teles Junior, apresentou para os representantes sindicais o atual cenário econômico do Estado, apontando orçamentos fictícios e descontrole dos gastos públicos da gestão anterior para que os servidores tenham noção das dificuldades.


Na próxima quinta-feira, 9, às 10h, o compromisso é com o Sindicato dos Servidores do Grupo Administrativo (Sinsga).

Na tarde desta segunda-feira, 6, em reunião com merendeiras e serventes, o governador do Estado, Waldez Góes, anunciou o pagamento dos salários atrasados deixados pela gestão passada. Será depositado nesta quarta-feira, 8, a primeira parcela no valor de R$ 1 milhão, correspondente a 35% dos salários de outubro.

Após quatro rodadas de negociações, o governo encontrou uma alternativa para o pagamento dos três meses de salários atrasados – outubro, novembro e dezembro de 2014. "Gostaríamos muito de pagar esta dívida em uma única parcela, mas infelizmente isso não vai ser possível em razão da crise financeira do nosso Estado. Mas estamos garantindo que os salários atrasados serão pagos", afirmou o governador.


O governo parcelou a dívida em nove parcelas que serão pagas no decorrer do ano. "Esta foi a condição que o Estado encontrou para efetuar o pagamento, agindo de forma responsável e obedecendo a lei de reponsabilidade fiscal. A dívida será paga em nove parcelas e até dezembro estará quitada", afirmou o secretário de Estado da Fazenda, Josenildo Santos.

A proposta do governo foi aceita pela categoria e a primeira parcela será paga nesta quarta-feira, 8. A segunda será efetuada no fim do mês junto com o salário. "Sabemos que o Estado não tem condições de pagar tudo de uma vez, mas estamos felizes por esse acordo que fizemos. Isso mostra o cumprimento do compromisso que o governador fez conosco", declarou o presidente do Sindicato dos Serventes e Merendeiras, Antônio Carlos Vasconcelos.


Para a servente Rosilene Lisboa, a decisão tomada demonstra responsabilidade. "Estamos recebendo o nosso salário em dia, isso é uma grande felicidade e agora vamos receber os salários atrasados, podemos trabalhar com a certeza de que nosso direito está sendo assegurado", comemorou.

Cerca de três mil trabalhadores compõem o quadro da Unidade Descentralizada de Execução da Educação (UDE). A folha de pagamento dos trabalhadores corresponde a R$3 milhões mensais. A dívida deixada pela gestão passada, sem juros e correção monetária, totaliza R$ 117 milhões. Esse débito compreende o INSS, Receita Federal e atraso de pagamentos dos salários.

Na ocasião, o governador também reafirmou a continuação das negociações para decidir as pendências relacionadas a férias e aposentadoria. Também participaram da reunião a deputada estadual e primeira dama Marília Góes, a secretária de Governadoria, Renilda Costa, e o secretário de Estado da Fazenda, Josenildo Santos.