Educação

Secretaria de Estado da Educação

Acessibilidade: A+ A() A-

 NOTÍCIAS

Projetos sustentáveis de estudantes serão apresentados em mostras internacionais

Por: Paula Monteiro - 05/06/2018 - 11:00

Foto: Erich Macias/Seed

Estudantes da rede estadual de ensino ganham cada vez mais destaque em pesquisas científicas, dentro e fora do Amapá, especialmente na área de meio ambiente. Graças à conscientização e iniciativa dos alunos, as escolas estaduais Santa Maria e José do Patrocínio, ambas em Macapá, representarão o Estado em feiras científicas internacionais que reúnem projetos inovadores de todas as partes do mundo.

Os dois educandários participaram da Expo Nacional Milset Brasil 2018, realizada na Assembleia Legislativa do Estado do Ceará, em Fortaleza, no fim de maio deste ano. A escola Santa Maria apresentou o Projeto Adubo Ecológico, e a escola José do Patrocínio, o Projeto Rádio Escola JP como espaço de propagação da Área de Proteção Ambiental da Fazendinha e sua importância para o meio ambiente.

Os dois projetos foram destaques no evento e receberam credenciais para participar de outras importantes mostras científicas. A escola Santa Maria foi credenciada para participar da Mostra Científica Internacional Fecitec, no Paraguai, em agosto deste ano. A José do Patrocínio participará da Mostra Científica Internacional no Rio Grande do Sul, em Novo Hamburgo, de 24 a 28 de outubro.

A estudante Laís Ferreira, 9 anos, autora do Projeto Adubo Ecológico, ficou muito feliz e satisfeita com o resultado. “Foi um sonho participar da Milset. Tenho orgulho de representar o meu Estado que tanto amo e, agora, levar o nosso projeto ao Paraguai”, comemorou.

No Projeto Adubo Ecológico, Laís pôs em prática a ideia de reaproveitar resíduos das aparas dos lápis usados em sala de aula para produzir um adubo natural ecologicamente correto. O produto contém outros resíduos orgânicos, além do lápis, a exemplo das cascas de frutas das sobras da merenda e restos de grama.

O adubo sustentável utilizado na horta da escola Santa Maria foi testado e validado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) do Amapá. O produto leva dois meses para ficar pronto para ser utilizado.